Páginas

September'17

Wow! Que mês foi este?! Foi a minha vez de pisar a bota, de me perder entre obras de arte, igrejas e palácios e de me babar perante gelados e pizzas. Itália foi uma viagem em família para comemorar os 25 anos de casados dos meus pais e os 50 da mommy e foi tão bom! Aprendi imenso e estive em dois dos museus de arte mais importantes do mundo para além que coloquei mais dois pionéses no meu querido mapa-mundo.Setembro de recomeços. Na escola, na ginástica, nos escuteiros, na natação. Novos horários, novos professores, a mesma rotina de sempre. Iniciou-se mais uma época desportiva e inauguramos o ano escutista da melhor maneira, acolhemos miúdos novos e divertimo-nos à grande, a correr que nem uns perdidos debaixo das estrelas. Tempo de cortar as pulseiras que tanto me diziam e de voltara  treinar no duro.

Reencontrei os meus amigos, abracei imenso, mimei muito os meus e recebi em igual quantidade. Fui eleita delegada, voltei a afundar a cara nos livros e a tornar a minha agenda a minha melhor amiga. Fui passear com a Patrícia a Lisboa, propusemos equipas, fundámos equipas e traçamos novos objectivos. Em Setembro dormimos todos em conchinha, voltámos a vestir azul e a cantar e a divertir-nos no quentinho da fogueira. Setembro foi feito de reencontros com as minhas pessoas incríveis, de conhecer o Daniel e o Gui. Um mês de palavras sinceras e mimos. Trinta dias de novos planos de viagem, de novos obstáculos e oportunidades. Setembro foram novas portas abertos e mais pano para mangas, Tudo há-de correr bem mas há muito trabalho pela frente! Tenham um Outubro à vossa altura: espetacular!


Adeus Verão, Hora de Cortar as Pulseiras

O Outono já começou, os dias são cada vez mais curtos, as temperaturas têm vindo a descer e é mesmo hora de me voltar a focar. Este verão foi genial, vivi momentos inacreditáveis e houve muito sol a bater na cara, houveram as viagens que precisava - de avião ou de carro -  mergulhos refrescantes, abraços tão quentes e calorosos como os dias e noites na converseta. É hora de por a cara nos livros, traçar objectivos e focar-me na sua conquista. Os treinos já voltaram, as braçadas na piscina e as manhãs que começam bem cedo também. A rotina voltou para ficar e os acampamentos também. E hora de me despedir da melhor parte e da mais feliz do ano. É hora de cortar as pulseiras que me acompanharam durante os últimos três meses, uma que trouxe de Santiago há uns anos, outra que veio do Go3 e a do Acanac da qual cuidei para me durar o resto do verão. Causam atrito na água, tornam-se desconfortáveis com camisolas mais compridas e na ginástica não dão jeito. O cortar das pulseiras é o símbolo do fim do meu verão - último sem exames - e do regresso ao mundo real. Obrigada Verão, foste inesquecível, é hora de me manter motivada e de me focar no que importa!


TRAVEL GUIDE: FLORENÇA | Duomo

É o cartão de visita da cidade e o principal ex-libris de Florença. Como há muito para visitar esta será um publicação dedicada à Catedral de Santa Maria das Flores, o exterior, o interior, a cúpula, o campanário, o baptistério e ainda o museu do Duomo. Vistamos quase tudo em dias diferentes mas com uma boa gestão faz-se facilmente num dia. Brunelleschi era um génio e aqui têm a prova disso, este senhor não brincava em serviço.


BAPTISTERIO DI SAN GIOVANNI
Na época em que Santa Maria del Fiori foi erguido as pessoas só eram dignas de entrarem na catedral após serem baptizadas. Isso ocorria no Baptisterio, mesmo em frente à catedral em si. Pequenina mas de uma beleza e riqueza estúpida. Pequenino mas conciso, muito muito bonito.




O EXTERIOR
É impossível não ceder à imponência do edifício. A gigantesa da sua cúpula e a magestosidade dos mármores usados que tão bem ficam juntos, o verde, o rosa e o branco complementam-se tão bem! O edifício é imenso e é normal tirarem minutos para apreciar os pormenores da fachada frontal da catedral. Sugiro que dêem uma volta a toda a Catedral. Foi das primeiras coisas que fizemos assim que deixámos as malas e aquela golden hour soube pela vida




O INTERIOR
 Sinceramente foi a maior desilusão da viagem e talvez deste ano mesmo. Depois da imponência e do símbolo marcante do Renascimento que se tornou esta Catedral eu esperava algo muito mais elaborado e robusto, encontrei uma igreja grande mas despida, monótona. Fiquei tão desiludida que nem as pinturas que decoram a cúpula por dentro me animaram - apesar de ser belíssima! A entrada é gratuita mas existe fila e não de pode entrar com ombros à mostra nem pernas demasiado destapadas, atenção a isso!




A CÚPULA
 Só se pode lá ir lá com marcação que é feita no exterior da catedral, numa ruas que tem entrada na praça. Escolhemos ir de manhã cedinho. A fila começa a formar-se antes da hora de abertura, estejam atentos. Sinceramente foi o ponto alto a onde menos me custou subir, são à volta de 450 degraus e é muito giro depararmos-nos na parte em que subimos com as íngremes escadas para o topo da cúpula. A vista é belíssima e vale o esforço, adorei subir lá e é o edifício mais alto que podem escalar em Florença.



CAMPANÁRIO/ TORRE DO SINO DE GIOTTO
A torre do sino encontra-se fora da estrutura da catedral e dá para subir lá ao cimo, são menos escadas que a cúpula mas a vista é igualmente deslumbrante e de perder de vista. Esta torre tem os antigos sinos e vários patamares para descansar. É também decorado com os três tons de mármore que condizem com Santa Maria das Flores




MUSEU DO DUOMO
Tanto no exterior como no interior da igreja as estátuas originais foram retiradas para não se estragarem e foram substituídas por cópias idênticas. Aqui encontramos estas estátuas, as originais e icónicas portas do Paraíso em bronze, Estátuas enormescas, vestes sacerdotais, objectos eclesiásticos belíssimos - não fossem estes ter "relíquias" de santos no interior, uma aberração na minha mais sincera opinião. Podemos também ver a forma como construiriam a magnifica catedral sem recurso a maquinaria, as técnicas rudimentares e tudo o que envolveu. Podemos também subir ao terraço para observar mais uma vez a incrível cúpula do lado de fora. Em termos museológicos adorei a organização do museu, a luz, o espaçamento, a paz e a calma que transmitia. Lindo lindo lindo!






Como podem ver, à volta do Duomo há imenso para ver, opções não vos faltam. Se tiverem  pouquinho tempo recomendo que visitem a catedral por fora, vão ao museu e subam ou à torre do sino ou à cupula! Nós fizemos tudo mas é preciso pedalada! Esta catedral é o ícone do período renascentista e apesar de se identificar no Gótico tardio é de uma beleza excepcional, retirando a desilusão que foi para mim o interior, mas enfim! Espero que gostem!

EVERYDAY | "Este é o Momento Mais Feliz da Minha Vida"

Há uns tempos estava sentada a jantar com os meu pais enquanto dialogávamos acerca de temas filosoficamente aleatórios e calhou o meu pai dizer "este é o momento mais feliz da minha vida" rematando que o facto de estarmos em família e estarmos a deliciar-nos com as maravilhas gastronómicas da minha mãe e que o amanhã era sempre incerto. Disse-me que não podiamos contar sempre com o dia que aí vem, pode rebentar uma bomba ao teu lado, alguém que amas pode morrer, o mundo pode desabar bem debaixo dos teus pés, nunca se sabe.

Neste momento estamos bem, tudo está bem e por isso este, se um dia algo de tenebroso acontecer, será recordado como um momento feliz apesar da simplicidade dos momentos. Não prevemos o que ocorrerá mas podemos aproveitar o exacto segundo que está a passar e recorda-lo como um momento feliz. Eu nunca tinha pensado assim e apesar de ser uma ideia estranha faz-me sentido e o meu pai que já esteve em situações traumáticas conhece o que é recordar os simples e bons momentos por mais monótonos e rotineiros que sejam. Nunca se esqueçam disto.


TRAVEL GUIDE: FLORENÇA | Benvenuti a Firenze!

Se me acompanham fora daqui sabem que durante a semana passada andei por terras italianas. Foi uma viagem em modo de celebração pelos vinte e cinco anos de casados dos meus pais e Florença, na Tuscania, foi a cidade escolhida. Foram seis dias em família entre gelados e palácios, capelinhas e pizzas e foi tão bom! Espero conseguir transmitir-vos tudo aquilo que vivi por terras italianas e estou a pensar agrupar alguns locais que façam sentido de modo a não se tornar chato, you see?! Tal como não fazer uma publicação para cada igreja ou capela que visitei mas sim listá-las a todas com descrições especificas e todas com direito a fotografias, esta é uma ideia, o que acham? Itália foi estreia para a família toda e acho que nos apaixonamos, estão prontos para voltar e percorrer todas as ruelas desta cidade maravilhosa com uma luz incrível comigo?



Transportes: Como sempre, em voos curtos preferimos voar em low cost, é menos cómodo para as costas mas mais para a carteira. Optamos por RyanAir até Pisa - visto que o aeroporto de Florença só serve voos nacionais ou de cursos muito curtos - ou podem optar por Bolonha também, e apanhamos uns transfer até à cidade (para lá fomos de autocarro, para cá viemos de comboio). A cidade faz-se bem a pé, apesar de ser grande o centro histórico está bem concentrado e se ficarem alojados no centro é perfeito! Outro ponto a ter consciência: as pessoas andam no meio da estrada como se fosse uma estrada pedonal - cof cof ia sendo atropelada trinta vezes - pois os passeios são estreitos, as pessoas não se desviam de ti, têm de ter imenso cuidado nas passadeiras. As estradas lá são um perigo, é mesmo preciso cautela!

Alimentação: Estão em Itália estão no céu! Quando viajamos tentamos sempre optar por restaurantes fora dos centros, tasquinhas de negócios familiares cujo preço seja justo e em que sejamos bem servidos. Valorizamos também os ingredientes frescos e o forno a lenha, locais simpáticos e onde se possa comer em condições. Não fomos a muitos restaurantes mas gostei muito muito do La Grotta di Leo nas redondezas de Santa Maria Novella, onde provei a melhor panna cotta da minha vida, o Buogustai perto do Palácio Vecchio também foi excelente. Também comemos muito bem no mercado de Florença! Os melhores gelados que encontramos e com a melhor relação qualidade-preço foram numa loja que há em vários sítios chamada Venchi.  Diria que são bem melhores que o meu eterno amor Amorino. Pro tip: gelado a mais de 4€ são um roubo, vi uma loja que um cone pequeno era 8€, no Venchi o mais barato era 2,50€ e todas as noites lá íamos à árdua escolha de escolher um sabor. Atenção que eles fazem um preços para quem leva para comer e para quem se senta e muitas vezes nem sequer o dizem. Itália é a terra das massas, das pizzas e das lasanhas, aproveitem!

Wi-fi: O Firenze Wifi não funciona, as dos cafés e museus têm quase todas password, portanto ou esperam até chegarem ao hotel ou submetem-se à utilização dos dados - ainda me questiono porque raio os meus não funcionaram.

Língua: Italiano é uma língua latina, costumam saber inglês e mesmo que não percebam um português enrolado em espanhol e arranhado em francês resulta. Achei o italiano bem mais fácil de compreender e de ler que o francês ou o espanhol, sinceramente, basta puxar pela cabeça!

Geral: Os italianos têm um espírito semelhante ao português: simpático e hospitaleiro. Têm de ter muito cuidado com as burlas. Os vendedores aceitam regateamentos (aproveitem!). A comida é muito cara. De noite aproveitem para passear há sempre espectáculos na Praça da República, à frente do Palácio Vecchio, em Uffizi (aquele quarteto de cordas incrível a tocar Vivaldi e o genérico de game of thrones) entre muitos outros sítios. Florença ganha outra vida de noite, aproveitem!

August'17

Meu querido mês de Agosto..! Que começou no concretizar de um sonho meu tão antigo em Idanha-a-Nova com mais vinte e dois mil escuteiros. O Acanac foi lendário e dificilmente será esquecido. Foi ter conhecido o João, as cavalitas do Tone e a guerra de água na festa dos pioneiros, a corridinha às quatro da manhã para acordar, eu e o Zé termos comido casca de melancia, os cafunés intermináveis e as conchinhas, o calor intenso e o suor imparável, o lavar a loiça de quarenta pessoas às duas da manhã, de dormir e tomar banho debaixo das estrelas. No Acanac eu fiz e reencontrei amigos e fui inexplicavelmente feliz. Sou ainda mais eu de lenço ao peito e aquilo que o escutismo é para mim não cabe em palavras. Gratidão é o que sinto para tudo isto, fizemos história!

Este mês planeei a minha próxima viagem, fui para aldeia da minha avó, foram dias de caminhadas, de tardes no rio e de convívios no café ou a olhar para as estrelas. Subimos à serra da Malcata, decifrámos constelações e contamos estrelas cadentes enquanto nos riamos como uns perdidos. Em Agosto comecei o meu terceiro bullet journal, passei tempo avec les avecs, fiz skype com a Joana imensas vezes, de fazer e desfazer malas, de desejar estar no Sziget Festival, dos amigos de longe e dos bailaricos.

Este mês decidi qual é o meu próximo objectivo de poupanças, fui me divertir para os carrosseis e montanhas russas com o pessoal, de fazer voluntariado a vigiar as matas do concelho, de descobrir spots incríveis para jogar as cartas no topo da falésia com vista de mar. Mês de jogar infinitas vezes ao never have i ever e de dias longos e solarengos.

Em Agosto fui infinitamente feliz e adorava que não tivesse já terminado. Para mim Agosto devia durar para sempre. Setembro traz rotinas, a escola, novos desafios e os meus amigos todos de voltas. Há-de correr bem!


O MEU NOVO BULLET JOURNAL + MATERIAIS QUE USO

Sou adepta do conceito do bullet journal faz três anos e no meu quotidianos não só me obriga a puxar pela minha capacidade criativa - que é algo que sinto falta num curso tão teórico como o meu - obriga-me a ser organizada e não me deixa ser formatada por agendas já confeccionadas. O bullet journal faz o meu estilo e é o meu melhor amigo no planeamento e na organização dos meus dias. Mas o que é um bullet journal mesmo? Eu respondo, o bullet journal é tudo o que tu quiseres. Um calendário, uma agenda, um scrapbook, um sketchbook, uma to do list, um bloco de notas, enfim, tudo o que te vá à cabeça. Chega-te um caderno em branco e apesar de eu adorar utilizar aguarelas, cores e mil e um recortes o teu bullet journal pode basear-se a uma só caneta. O mais giro é que é totalmente personalizado, é tudo feito à tua maneira e como tu queres. Foi isto que me fez apaixonar pelo conceito: a liberdade. E nunca vão encontrar dois bullets iguais.

Mostrei aqui o meu primeiro bullet journal e terminei o meu segundo em Julho e não o vou mostrar pois o resultado não foi o que mais me agradou ( pro tip: não comprem cadernos  demasiado baratos, podem ser muito bonitos no inicio mas uns meses depois já estão completamente deteorizados, estragam-se com facilidade e são pouco resistentes, o meu antigo era da Primark e não recomendo pois não se enquadrava comigo, o que é pena). Assim sendo decidi mostrar o que adquiri há pouco tempo para me acompanhar neste ano lectivo e em todas as aventuras que vêm aí. Está quase em branco mas vou-vos mostrar como se processa o inicio de um e como podem começar o vosso.